Tradutores veem erros em obras do vencedor de Prêmio da ABL

FABIO VICTOR
Três anos após causar espécie ao dar seu prêmio máximo, o Machado de Assis (R$ 100 mil), ao economista Roberto Cavalcanti de Albuquerque, que escreveu um livro com o presidente Marcos Vinicios Vilaça, a Academia Brasileira de Letras volta a ter uma de suas premiações no centro de uma polêmica.

Tradutores apontaram erros que consideram “inacreditáveis” no trabalho do vencedor da categoria “tradução”, o médico pernambucano Milton Lins, e contestam os critérios para a escolha dos laureados –por indicação, e não por inscrição.

Num poema do franco-uruguaio Jules Laforgue, em “Pequenas Traduções de Grandes Poetas -Volume 4”, Lins traduz o que seria “têmpora” como “tampa” e transforma “fresca” em “frete”.

Em outra obra, na tradução do poema “Zona”, de Apollinaire, “les hangars de Port-Aviation” (os hangares [do aeroporto] de Port-Aviation) viraram “o hangar de algum Porta-Avião”.

Os equívocos foram revelados pela tradutora Denise Bottmann, no blog naogostodeplagio.blogspot.com, e críticas ressoaram no meio.

“São sandices completas, não têm nada a ver [com o original]. Se o prêmio da ABL fosse um dicionário francês-português, já ajudava”, afirmou Jório Dauster, tradutor de Nabokov e Salinger.

“A questão não é qualidade poética [da tradução], mas falta de domínio da língua para se aventurar a fazer suas criações”, diz Bottmann.

Integrante da diretoria da associação brasileira de tradutores, Joana Canêdo definiu os erros como “aberrantes” e diz que escreverá uma carta à ABL questionando os critérios da premiação.

Ele próprio covencedor do prêmio em 2005, Ivo Barroso, tradutor de Rimbaud, declarou que “por aqueles exemplos que aparecem no blog da Denise, realmente há uma tradução fraca”. “Mas a Academia tem o direito de dar o prêmio a quem ela quiser”.

Barroso toca, aí, na questão nevrálgica. O fato de ser uma entidade privada, que vive às suas próprias custas, é bafejado pela ABL cada vez que se contesta sua conduta.

“Mas é o órgão máximo da literatura brasileira”, diz Dauster. “Até em virtude de sua imensa importância histórica, tem uma responsabilidade social e pública por seus atos que ultrapassa em muito a esfera privada”, emenda Bottmann.

Os indicados pelos acadêmicos não são divulgados.

Criado em 2003, o prêmio de tradução da ABL já foi dado a Boris Schnaiderman (2003), Bárbara Heliodora (2007) e Paulo Bezerra (2009), entre outros. O vencedor recebe R$ 50 mil.

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/753573-tradutores-veem-erros-em-obras-do-vencedor-de-premio-da-abl.shtml



Luiz Fernando Casanova Doin
Autor: Luiz Fernando Casanova Doin
é fundador e sócio-diretor da BTS – Business Translation Services, empresa de tradução sediada em São Paulo com mais de 15 anos de existência e mais de 5.000 clientes atendidos. Formado em Administração de Empresas pela Universidade de São Paulo (USP) e em Comunicação Social com ênfase em Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), é um apaixonado pela área de tradução e um estudioso do setor que procura aliar seus conhecimentos acadêmicos e experiência à prática tradutória.

Deixe uma resposta