Site do Náutico em inglês comete gafe e traduz nomes de jogadores

Rodrigo Bridges, Erick Flowers e Bishop Diego fazem parte do elenco do Náutico que disputa o Campeonato Brasileiro da Série B. Se eles parecem estranhos, os nomes acima se referem à Rodrigo Pontes, Erick Flores e Diego Bispo, mas acabaram recebendo essa nova grafia devido à uma gafe da versão inglesa do site do clube.

Na página do Náutico na internet, qualquer pessoa que clicar na bandeira britânica no canto superior da tela e quiser saber o elenco que o técnico Roberto Fernandes tem à disposição, se surpreenderá com os atletas que aparecem na tela.

Os erros se dão pela tradução automática utilizada no site do clube pernambucano, daí acontecem as pérolas. Como as palavras tem apenas o sentido literal levado em conta, Pontes vira Bridges, Flores se torna Flowers, no caso mais curioso, Diego Bispo se tranforma em Bishop Diego.

No caso do defensor, a troca de palavras, além da tradução incorreta, se dá por bispo ser uma denominação, ou seja, qualquer pessoa que tenha essa classificação tem a alcunha de bispo antecedendo o seu nome, assim como padre, por exemplo.

O episódio não é o primeiro a acontecer em sites de clubes brasileiros. Em setembro deste ano, ao lançar o sua nova página, o Fluminense cometeu gafes também, traduzindo o nome de ídolos como Branco para Rice.

Fonte: http://esportes.terra.com.br/futebol/brasileiro/2010/noticias/0,,OI4799455-EI15407,00-Site+do+Nautico+em+ingles+comete+gafe+e+traduz+nomes+de+jogadores.html



Luiz Fernando Casanova Doin
Autor: Luiz Fernando Casanova Doin
é fundador e sócio-diretor da BTS – Business Translation Services, empresa de tradução sediada em São Paulo com mais de 15 anos de existência e mais de 5.000 clientes atendidos. Formado em Administração de Empresas pela Universidade de São Paulo (USP) e em Comunicação Social com ênfase em Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), é um apaixonado pela área de tradução e um estudioso do setor que procura aliar seus conhecimentos acadêmicos e experiência à prática tradutória.

Deixe uma resposta