EUA querem produzir robô que trabalhe de tradutor para o exército

Que venha o C-3P0!

A DARPA, a agência de pesquisa do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, está investindo no desenvolvimento de um robô que tenha a capacidade de traduzir instantaneamente qualquer língua do planeta.

O site PopSci destaca que conseguir uma tradução genuína e rápida é uma espécie de Santo Graal para a DARPA (Defense Advanced Research Projets Agency) já há algumas décadas, tanto para operações militares quanto para ações de ajuda humanitária, por exemplo.

Agora, a agência decidiu não mais utilizar locais para a tradução, e nem procurar desenvolver um gadget de mão que seja um tradutor universal – e nem mesmo um Peixe Babel. O projeto BOLT – Broad Operational Language Translation busca o desenvolvimento de um robô que tenha a capacidade de interagir com os seres humanos, não precisando ser, necessariamente, um humanoide, e também facilitar a interação entre pessoas de nacionalidades diferentes.

Basicamente, o que a DARPA quer é um C-3P0, como muito bem lembrou o blog Danger Room, do site da revista Wired, ou seja, um robô que seja capaz de entender e falar em qualquer idioma do planeta.

O projeto BOLT deve ter um orçamento anual de US$ 15 milhões, ou cerca de R$ 24 milhões. Mais informações podem ser encontradas na página do projeto, pelo link goo.gl/YKfGJ.

Mais notícias em dpavani.geek.com.br.

Fonte: http://dpavani.geek.com.br/posts/15662-eua-querem-produzir-robo-que-trabalhe-de-tradutor-para-o-exercito



Luiz Fernando Casanova Doin
Autor: Luiz Fernando Casanova Doin
é fundador e sócio-diretor da BTS – Business Translation Services, empresa de tradução sediada em São Paulo com mais de 15 anos de existência e mais de 5.000 clientes atendidos. Formado em Administração de Empresas pela Universidade de São Paulo (USP) e em Comunicação Social com ênfase em Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), é um apaixonado pela área de tradução e um estudioso do setor que procura aliar seus conhecimentos acadêmicos e experiência à prática tradutória.

Deixe uma resposta