Erro de tradução no livro do Papa troca “prostituto” por “prostituta”

Sobre o autor

BTS: Luiz Fernando Casanova Doin

Luiz Fernando Casanova Doin

é fundador e sócio-diretor da BTS – Business Translation Services, empresa de tradução sediada em São Paulo com mais de 15 anos de existência e mais de 5.000 clientes atendidos. Formado em Administração de Empresas pela Universidade de São Paulo (USP) e em Comunicação Social com ênfase em Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), é um apaixonado pela área de tradução e um estudioso do setor que procura aliar seus conhecimentos acadêmicos e experiência à prática tradutória.

CIDADE DO VATICANO — O texto original em alemão do livro de entrevistas com Bento XVI, no qual o Papa justifica em “algunos casos” o uso do preservativo, fala de “prostituto” e não de “prostituta”, como foi traduzido por erro na versão italiana, segundo fontes eclesiásticas.

No texto alemão, aprovado pelo pontífice, o chefe da Igreja Católica considera que, em “alguns casos”, o uso do preservativo está justificado e dá como exemplo “quando um prostituto utiliza um profilático”.

Segundo as mesmas fontes, o erro na tradução para o italiano, cujos trechos foram divulgados pelo jornal da Santa Sé, L’ Osservatore Romano, se deveu a “motivos de rapidez e será corrigido nas próximas edições”.

Para o jornal Il Corriere della Sera, que cita fontes do Vaticano, o erro “não altera a substância” da declaração do Papa sobre os casos específicos em que se justifica seu uso.

O erro de tradução causou uma onda de comentários em inúmeros blogs e sites, já que os internautas questionaram as razões pelas quais o Papa dá como exemplo um prostituto, que seria minoria no exercício da prostituição.

Fontehttp://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5ixUbPrrEzuFFNrXw-Ku_eE9YrEvg?docId=CNG.20932c33839fe30f97fbd6c4c8ac83dd.721

Compartilhe esse Post:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
Share on whatsapp