Site em português Site em inglês
BTS - Business Translation Services 11 3289.2289
info@btsglobal.com.br
Google Plus Linkedin Twitter Facebook
Empresa de Tradução com mais de 15 anos e 5.000 clientes atendidos.

Idiomas oferecidos

Tradução para português Tradução para inglês Tradução para espanhol Tradução para italiano Tradução para alemão Tradução para francês
Publicado por Luiz Fernando Casanova Doin, em 08/11/2012, na(s) categoria(s): Notícias.

Erros de tradução dão significado bizarro a tatuagens

Catálogos improvisados de ideogramas contêm desenhos sem sentido ou produzem resultados inesperados

“Tem saído muito amor e felicidade”, diz o tatuador, olhar sério, ao abrir seu catálogo de símbolos orientais em um estúdio da Galeria do Rock, no centro de São Paulo. Virou moda: todo dia aparece quem queira “traduzir” de estados etéreos de espírito a nomes próprios por meio de ideogramas — só não sabem que os álbuns são improvisados a partir da internet, com desenhos sem sentido ou, no mínimo, inesperados.

“Olhei o livrinho, estava escrito ´paz´. Tatuei e ficou bonito”, diz Leandro Djehdian, de 25 anos. “Mas aí procurei ´paz´ em outros lugares e não era igual.”

Dono de loja de produtos de R$ 1,99, ele mostrou o desenho aos chineses do ramo. “Aí eles disseram que era ´ladrão´.” Pior foi quando viajou à China a trabalho: passou dias de calor e manga comprida. “Já pensou se um ´china´ me bate?”

Não bateram, mas ele se livrou do desenho. “Aquilo não era ´paz´ nem aqui nem na China”, ironiza Martin Tattoo, que fez o “cover” (tatuagem para cobrir a indesejada). Djehdian pagou R$ 50 pelo falso ideograma; e R$ 500 para escondê-lo.

“Recebo todo dia e-mail querendo saber como se escreve nome com ideogramas”, diz a vice-diretora da escola Chinbra, Liang Yan. Só que nomes ocidentais não têm símbolos em mandarim. A escrita sai por pronúncia aproximada. “Mas o ideograma tem significado. Como Marcelo: o primeiro sinal tem a pronúncia ´ma´, ´cavalo´. Então é perigoso. E eles fazem até de cabeça para baixo”, diz, rindo.

Em um estúdio na Galeria do Rock, havia três catálogos iguais — ou quase, porque um trazia os símbolos com correções a caneta. O ideograma para “gato”, por exemplo, virou “divertido”; e muitos outros tinham traços a mais e a menos.

“Para facilitar, usa o dimarca.com.br”, diz um tatuador da zona oeste. Lá há um tal “conversor de nomes” para japonês — mas claro que, no canto do estúdio, está o álbum — que, para o professor Diego Raigorodsky, era “um show de horror”. “O dragão parece rabiscado por uma criança, e o ´longa vida´ não existe.”

É ele quem indica o site hanzismatter.com, “dedicado ao uso incorreto de caracteres chineses na cultura ocidental”. Está lá a jovem que quis tatuar o nome do namorado, mas grafou “supermercado´´. “Por isso digo para pesquisar”, diz Djehdian. “Nunca vi tatuador em curso de mandarim”, brinca a professora Yan.

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=814522

No Comments »

No comments yet.

Leave a comment