Site em português Site em inglês
BTS - Business Translation Services 11 3289.2289
info@btsglobal.com.br
Google Plus Linkedin Twitter Facebook
Empresa de Tradução com mais de 15 anos e 5.000 clientes atendidos.

Idiomas oferecidos

Tradução para português Tradução para inglês Tradução para espanhol Tradução para italiano Tradução para alemão Tradução para francês
Publicado por Luiz Fernando Casanova Doin, em 08/11/2012, na(s) categoria(s): Notícias.

Dom Pedro II foi 1º a traduzir obra do árabe, diz pesquisa

Já em idade avançada, o Imperador brasileiro Dom Pedro II foi o primeiro a traduzir a obra mais conhecida da literatura árabe direto para o português: as Mil e Uma Noites. E o fez com um rigor raro para a época, revela uma dissertação de mestrado da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A pesquisadora Rosane de Souza foi a primeira a ter acesso a parte de uma tradução assinada por Dom Pedro II, que não conseguiu concluir a obra antes de morrer.

Aos 62 anos, ele começou o processo. O último registro de texto traduzido é de novembro de 1891, um mês antes de sua morte.

Rosane destaca a preocupação com a fidelidade do texto em árabe. “Ele era um amante da cultura oriental e mantém tudo, até as características de linguagem do texto original”, comenta. Uma surpresa, uma vez que até os dias atuais a versão mais conhecida do texto das Mil e Uma Noites no mundo ocidental é a que deriva de um texto francês, bastante modificado, trazido pelo orientalista Antonie Galland.

Dom Pedro II manteve até mesmo trechos eróticos que outros escondiam. “Quando viu-me riu-se no rosto de mim e apertou-me ao peito d’ella e a boca de mim sobre a boca d’ella”, diz um dos trechos traduzidos. A tradução francesa do mesmo trecho fala apenas em “saudações”.

O Imperador das Letras

A pesquisadora conta que vai continuar os estudos, tentando entender mais os fatos da vida pessoal do Imperador. Mas ela faz questão de destacar o lado intelectual de Dom Pedro II que era pouco conhecido no Brasil em sua época. “As pessoas o viam apenas como Imperador e o interesse por literatura não era valorizado”, conta. Em cartas que trocava com escritores e autoridades estrangeiras, porém, era elogiado.

As traduções eram feitas por ele pessoalmente, embora a pesquisadora levante a hipótese de que por vezes seu professor estivesse ao lado. Pedro II não tinha qualquer ambição de publicar livros e escrevia por prazer, para treinar a fluência nos vários idiomas que falava:
“10h ½ Antes de jantar estudei árabe traduzindo As mil e uma Noites. Ainda traduzi a Odisséia e li provas da arte guarani de Restivo”, conta em seu diário, também usado na pesquisa.

Rosane explica que Dom Pedro II sempre foi estimulado a estudar letras. Desde os 12 anos, sabia francês, inglês e latim. Do homem que ensinou árabe e levou ao Imperador o gosto pelo orientalismo, não se sabe muito. Nos diários, o aluno o chama de F. Seibold. Alguns autores, conta Rosane, dizem que seu nome seria Christian Friedrich Seybold. “Ele acompanhou o Imperador em suas viagens ao exterior e até sua morte, no exílio (após a Proclamação da República)”, acrescenta. Ela ainda não sabe qual a influência do professor na qualidade das traduções, mas arrisca: “Mesmo estando presente, é possível verificar que ele não interferia muito na tradução, pela forma e por alguns erros de interpretação que estamos verificando”.

Mil e Uma Noites

As Mil e Uma Noites são na verdade uma reunião de histórias encontradas em manuscritos de diferentes datas e origens. As histórias, divididas em número de noites, já foram reunidas de várias formas diferentes, o que dificulta a tradução e a fidelidade aos originais.

O ocidente conheceu a história pela tradução francesa de Galland, que faz muitos acréscimos e modificações. Pelo conteúdo, Rosane conseguiu identificar que Dom Pedro II não adotou a tradução de Galland, mas uma edição em árabe de 1825 chamada de edição de Breslau. Ela contou com a ajuda do professor de literatura árabe Mamede Jarouche, da Universidade de São Paulo, que assina uma tradução das Mil e Uma Noites para o português feita direto do árabe e publicada no Brasil.
Rosane identifica a tradução do Imperador brasileiro como bastante fiel. Para se aproximar da forma como o árabe usa os pronomes muito próximo dos nomes, ele usou formas como “esposa de mim” e “filhos de mim”, o que para a pesquisadora mostra consciência da língua.

Dom Pedro II também traduziu vários outros textos e escrevia poesias de sua autoria. Três livros com traduções suas chegaram a ser publicados, um após sua morte, em 1907.

Fonte: http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI4797368-EI6581,00-Dom+Pedro+II+foi+a+traduzir+obra+do+arabe+diz+pesquisa.html

No Comments »

No comments yet.

Leave a comment