Site em português Site em inglês
BTS - Business Translation Services 11 3289.2289
info@btsglobal.com.br
Google Plus Linkedin Twitter Facebook
Empresa de Tradução com mais de 15 anos e 5.000 clientes atendidos.

Idiomas oferecidos

Tradução para português Tradução para inglês Tradução para espanhol Tradução para italiano Tradução para alemão Tradução para francês
Publicado por Luiz Fernando Casanova Doin, em 08/11/2012, na(s) categoria(s): Notícias.

A tradução como obra de arte

O terceiro volume das Obras Completas de Jorge Luis Borges evidencia o nível de excelência dos tradutores brasileiros

Ao jantar em São Paulo com María Kodama, a viúva de Jorge Luis Borges, o coordenador da equipe de tradutores das Obras Completas do escritor, Jorge Schwartz, hesitou um minuto antes de estender-lhe um pequeno maço de folhas de papel com anotações. Ele temia soar indelicado. Eram seis páginas com erros garimpados pela equipe de Schwartz na edição espanhola das Obras, base de todas as outras edições. A lista de erros abarcava desde problemas tipográficos a falhas de revisão, mas incluía também lapsos do próprio Borges. “Em certa passagem ele escreve ‘Veneza’ quando claramente quer dizer ‘Florença'”, afirma o também argentino Schwartz. A viúva recebeu muito bem as correções.

Borges faria 100 anos no dia 24 de agosto. Talvez a comemoração mais digna deste centenário seja o lançamento da edição brasileira do terceiro volume de suas Obras Completas, que Jorge Schwartz considera “mais fidedigna que a própria edição argentina”. Trata-se, de fato, de um trabalho exemplar – o primeiro volume recebeu o Prêmio Jabuti de tradução no ano passado. “Isto aqui é meu serviço militar”, diz Schwartz. “Decidi mostrar ao público brasileiro o Borges correto.”

Paixão e afinidade com a escrita, além do conhecimento profundo das duas línguas, são motores essenciais para a tradução bem-feita. No caso de Borges, não basta conhecer o espanhol, pois o escritor é acima de tudo argentino. Otrabalho minucioso da equipe de Schwartz incluiu alguns mergulhos ocasionais na topografia das ruas de Buenos Aires. “Descobrimos, por exemplo, que uma certa Rua da Piedade que aparece num dos textos na verdade não existe, foi invenção do escritor”, diz o coordenador.

Erros de tradução ganham, às vezes, uma dimensão além do papel. Sigmund Freud acabou levando a paternidade por certos termos que nunca inventou: a palavra “subconsciente”, que aparece em suas obras e virou clichê extrapsicanalítico, simplesmente não existe. Freud escreveu “das Unewusste”, cuja tradução correta seria “inconsciente”.

A maioria dos especialistas em tradução de textos em alemão ganha muito mais dinheiro com versões técnicas – e não precisa se arriscar pelo difícil terreno da literatura. Um dos maiores tradutores do país, o escritor Modesto Carone, foi na direção contrária e especializou-se na obra de Franz Kafka. As armadilhas do checo de língua alemã vêm surpreendendo Carone há muitos anos, no correr das três horas de dedicação diária ao autor de O Processo. “Kafka disparava palavras com precisão”, diz o tradutor brasileiro. “É necessário um corpo-a-corpo com o original.” Carone vai direto ao alemão, ao contrário dos outros tradutores de Kafka no Brasil, que partiram do francês ou mesmo do espanhol. “Teve gente que, em O Castelo, traduziu ‘bando de gralhas’ por ‘enxame de urubus'”, diz Carone, para quem o senso de humor de Kafka perdeu muito nas traduções descuidadas.

Além de difícil, a tarefa do tradutor é mal remunerada. Uma página muito bem paga não passa dos R$ 25. A média fica entre R$ 12 e R$ 15, mas muito tradutor recebe apenas R$ 8 por lauda. Não chega a ser espetacular, mas já há quem viva disso. O escritor Paulo Henriques Britto é um deles. Leciona, inclusive, sobre o metiê, na PUC do Rio. “Eu comecei do nada, nos anos 70”, diz. “Hoje, os erros do tradutor principiante podem ser cometidos na sala de aula.” Britto pratica uma tradução de altas esferas. Ele acabou de verter para o português os belos versos da escritora americana Elizabeth Bishop (Poemas do Brasil). No trabalho, aventurou-se por soluções engenhosas e saídas ousadas. Ao precisar de uma rima, criou, no poema “O Ladrão da Babilônia”, um morro que não existe na paisagem carioca, o do Noronha. “Minha convivência com o texto de Bishop é muito antiga, não vejo problema nisso”, diz o escritor. “Traduzir também é uma maneira de escrever”, completa. De fato, o conjunto da tradução desse volume de Elizabeth Bishop é extraordinário, mas traz à lembrança um velho jogo de palavras em italiano: “Tradutore traditore”, “tradutor traidor”. No caso de Paulo Henriques Britto, a invenção geográfica conseguiu inteirar-se perfeitamente no poema.

Para o poeta Augusto de Campos, existem duas correntes de tradução, ambas envolvidas com graus diferentes de “traição” ao original. “A primeira não se preocupa com a parte formal”, diz. “A tradução é quase literal, transforma-se num simulacro malfeito do que poderia ser um bom poema.” A segunda corrente, envolvida com as questões formais, requer uma liberdade maior, daí a “traição”. “Ela reconstitui o momento belo, o clima, as paixões, a rebeldia poética contida no original.” Pequenas traições modernizadoras podem emprestar vida nova a belos poemas – e as traduções que o próprio Campos perpetuou dos poetas provençais do século 13, como Arnaut Daniel, são uma demonstração eloqüente de como traduzir também pode ser uma arte.

Arte que pode bater às portas da loucura, como parece ter sido a tarefa de traduzir os poemas do americano e.e. cummings, na qual Augusto de Campos começou a trabalhar ainda nos primeiros tempos heróicos do concretismo, nos anos 50. Os Poemas de cummings acabam de sair pela Francisco Alves, revistos e ampliados a partir da primeira tradução lançada no começo dos anos 60. cummings é uma espécie de gênio poético que distribui seus versos pela página de maneira não-convencional, com espaçamentos e pontuações próprias, surpreendentes. Traduzir esses versos significou, para Augusto, um corpo-a-corpo com um dos maiores nomes da vanguarda deste século. O poeta americano fez questão de rever todos os originais, mesmo não compreendendo o português. “Ele via com agrado essas traduções”, diz Augusto, que trocou uma boa correspondência com cummings. “Afinal, ele ainda era um autor muito contestado na época.” O americano atinha-se a detalhes – e com razão: eles eram a marca de sua expressão individual e liberdade poética. Se cummings tivesse aprendido português, veria que a tradução do colega concretista é um dos mais belos trabalhos de recriação – ou transcriação, para usar um termo de outro grande tradutor e irmão de Augusto, Haroldo de Campos – da língua portuguesa.

As traduções brasileiras de Borges, Bishop e cummings deixam claro que bons tradutores devem ser essencialmente bons escritores. “As traduções de Shakespeare para o alemão, e do Rubayat, de Omar Khayyam, para o inglês, foram consideradas tão boas que acabaram se enraizando nessas línguas, como se fossem originais”, diz Paulo Henriques Britto. O caso de Omar Khayyam, relatado por Borges numa das passagens de Outras Inquisições (no segundo volume das Obras Completas) é curioso. A tradução feita pelo poeta Edward FitzGerald foi de tal forma definitiva que se transformou num clássico da língua inglesa. Borges conta como o original escrito em persa ganhou com a versão inglesa “uma melodia que escapa e uma inscrição que dura” e deu a Khayyam “um lugar perpétuo entre os maiores poetas da Inglaterra”, segundo testemunharam os contemporâneos.

Não é à toa que a parceria Edward FitzGerald/Omar Khayyam se tenha tornado uma referência obrigatória tanto para Borges quanto para os melhores tradutores brasileiros.

 

Jorge Schwartz

54 anos

Coordenador da tradução das Obras Completas de Borges.

Destaque

As Conferências de 7 Noites, sobre cegueira e pesadelo, neste volume 3.

 

Modesto Carone

62 anos

Tradutor das obras de Franz Kafka direto do alemão.

Destaque

“A tradução do livro O Médico Rural, que tem uma carga imensa de poesia. Em Kafka, cada palavra condensada significa muito.”

 

Augusto de Campos

68 anos

Tradutor de autores medievais e modernos, entre eles Arnaut Daniel e e.e. cummings.

Destaque

A tradução dos poetas metafísicos ingleses como John Donne.

 

Paulo Henriques Britto

48 anos

Tradutor de Poemas do Brasil, de Elizabeth Bishop, entre outros trabalhos em poesia e ficção.

Destaque

Sua tradução do poema narrativo Beppo, de Byron.

“Voltarei a Genebra”
Borges fala de felicidade nas Obras Completas III, que reúne seus últimos trabalhos de ficção e poesia

Leia um trecho inédito do texto Genebra, do livro Atlas (1984):

“De todas as cidades do planeta, das diversas e íntimas pátrias que um homem vai procurando e merecendo no decorrer das viagens, Genebra parece-me a mais propícia para a felicidade. Devo-lhe, a partir de 1914, a revelação do francês, do latim, do alemão, do expressionismo, de Schopenhauer, da doutrina de Buda, do taoísmo, de Conrad, de Lafcadio Hearn e da saudade de Buenos Aires.(…) Diferentemente de outras cidades, Genebra não é enfática. (…)

Sei que voltarei sempre a Genebra, talvez depois da morte do corpo.”
Obras completas III
Este volume contém os seguintes livros

O Livro de Areia (1975)

A Rosa Profunda (1975)

A Moeda de Ferro (1976)

História da Noite (1977)

Sete Noites (1980)

A Cifra (1981)

Nove Ensaios Dantescos (1982)

A Memória de Shakespeare (1983)

Atlas (1984)

Os Conjurados (1985)

Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI171742-15220,00-A+TRADUCAO+COMO+OBRA+DE+ARTE.html

No Comments »

No comments yet.

Leave a comment